Acredito em duendes e no direito penal

do

Para você que acha que deve haver a redução da maioridade penal, veja um pouco do que acontece a um condenado neste sério país.

A história a seguir é real. Por razões óbvias não posso revelar o nome dos envolvidos.

Pelo que vejo todos os dias, já tenho motivos para não acreditar no Direito Penal. Na verdade o instituto é particularmente interessante e necessário. Mas aqueles que como eu operam ou auxiliam de alguma forma a execução penal sabem que é revoltante, para dizer apenas uma palavra da realidade do sistema.

O demônio Sr. Juvenal estuprou a sobrinha de sua esposa entre os 14 e 17 anos desta. Mesmo tendo já 3 filhos e sendo sua esposa debilitada psicologicamente, usando de graves ameaças, obrigava a adolescente a satisfazer seus desejos lascivos.  O crime foi descoberto em razão da gravidez da vítima.

Como se não bastasse, o animal do Juvenal “delicadamente” sugeriu para que sua quase sobrinha abortasse.

Se eu te disser que Juvenal é menor, talvez fosse fique triste, pensando que nada iria acontecer com ele. Menos mal. Juvenal é maior e capaz de responder por seus atos.

Contudo, ao prolatar a sentença o juiz, mesmo condenando o réu a mais de 10 anos de reclusão, atento às necessidades de seus filhos e sua esposa, sendo o arrimo de família, concedeu ao mesmo o direito de recorrer em liberdade e fixou o regime aberto para o cumprimento da pena.

Agora, por estar muito incomodado com o uso da tornozeleira eletrônica, o defensor público postulou em seu benefício o pedido de retirada do equipamento, o que é prontamente concedido aqui em Minas Gerais devido ao sucateamento do sistema…

Antes de defender o que deve acontecer com os menores infratores, dizer que bandido tem que apodrecer na cadeia, lembre que este país não é sério.

Lembre que existe um mundo real, pessoas sendo violentadas de todas as formas enquanto os magistrados estão presos à literalidades vazias e são obrigados a cumprir uma lei feita indiretamente por todos nós através dos representantes legislativos.

Lembre que não há cumprimento de pena. É uma piada de muito mal gosto.

Lembre que a referida adolescente jamais se recuperará do que sofreu e tem agora um filho fruto da violência que sofreu.

O Direito Penal é necessário. Seus princípios são nobres. A maneira como o Estado sabiamente o utiliza é como pimenta nos olhos dos outros.

Os duendes são seres da floresta. E no fim do arco íris você encontrará um pote de ouro.

Dialética #1

– Em doses certas, obedecendo corretamente às formas de administração, o veneno não mais produzirá o mal, mas sim, o bem. O paciente por fim se torna imune àquilo que deveria causar-lhe náuseas, enjoo ou outras complicações. Porém o caminho inverso também é possível.

– Mas isso funciona quimicamente! As vontades, os pensamentos não são fórmulas químicas!

– Novamente estás preso ao mundo ilusório. Achas que a brevidade física é que é real não é? Quando vais aprender que você que vive num mundo alegórico? Quando vais lembrar a insignificância da humanidade diante do cosmos?

– Mas a ciência ainda não comprovou que os pensamentos e consciência obedecem à física e à química…

– Sua ciência é a prosa dos espíritos fanfarrões. Eles riem dos contos científicos que explicam alguma coisa e acham que em seguida podem discernir a verdade. Volte-se ao que tentava te explicar. De tanto contemplar a violência, a maldade e a corrupção, a mente vai da indignação e revolta à inércia e relativismo. Os momentos de maior audiência de suas indústrias da informação veiculam as atitudes mais deploráveis por vocês mesmos. Mas no conforto de suas casas, aquilo não passa de entretenimento, regado a diferentes petiscos e comentários evasivos. Uma indústria de poucas pessoas ávidas por “informar”. Quanto mais escandaloso o conteúdo, melhor. Mais humanos o consumirão, mais anunciantes virão. Coisas boas não dão dinheiro. Devolução de dinheiro não vira filme, ninguém quer ver. Mas assalto a banco central vira sensação. Se o roubo fica simplório, vamos de latrocínio, que, aliás, pesará como crime contra o patrimônio, não contra a vida. Se o tráfico está em toda parte, noticie-se o tráfico infantil. Se a morte não causa mais assombros, que seja com crueldade. A fome de violência está para a fome de lucro. São insaciáveis.

– Mas neste sentido, a própria informação está a serviço do crime e pode muito bem ser financiada por ele próprio!

– Às vezes você dá uma dentro!